“Se pensarmos que podemos salvar 43 000 vidas humanas por ano importa questionar: que futuro têm os standards globais na Saúde?”

Opinião • Beatriz Jorge, GS1 Portugal