21ª Reunião Healthcare User Group (HUG)

A GS1 Portugal realizou a 21ª Reunião do Healthcare User Group com a presença de laboratórios farmacêuticos, distribuidores, farmácias e hospitais e associações. Num ambiente de partilha, foram apresentados alguns casos práticos sobre a implementação da Diretiva dos Medicamento Falsificados, demonstrando as diferentes abordagens ao tema, as dificuldades enfrentadas e o ponto actual de implementação. A sessão decorreu no dia 18 de dezembro, na sede da GS1 Portugal, com a presença de 30 participantes.

A dois meses da entrada em vigor da Diretiva dos Medicamentos Falsificados – a 9 de fevereiro de 2019, a GS1 Portugal organizou, pela terceira vez este ano, a Reunião HUG que juntou representantes de todos os elos da cadeia de valor de Saúde para apresentar casos práticos e debater a implementação da Diretiva dos Medicamentos Falsificados em Portugal.

Representantes da ANF, Generis, Luz Saúde, Novartis, Sandoz e OCP Portugal foram os oradores convidados que promoveram o debate sobre os desafios enfrentados pelo setor da Saúde a pouco tempo da entrada em vigor da Diretiva dos Medicamentos Falsificados em Portugal.

Nesta troca de experiências e ideias, verificou-se que ainda existem muitas dúvidas. Uma das questões mais discutidas foi como distinguir um código Datamatrix impresso antes de 9 de Fevereiro que ainda não corresponde às exigências da Diretiva de um outro que esteja falsificado?

Das apresentações realizadas ao longo de uma tarde, destacamos as seguintes conclusões:

  1. A implementação da Diretiva é uma realidade mas ainda persistem muitas dúvidas em todos os pontos da cadeia de abastecimento: na fábrica, no laboratório farmacêutico, no distribuidor, nas farmácias e nos hospitais;
  2. A apreensão relativamente à capacidade dos hospitais estarem prontos a 9 de Fevereiro para começar a receber medicamentos serializados;
  3. O trabalho em equipa, quer dentro da mesma entidade quer entre entidades, é uma realidade. Todos os agentes têm como objetivo comum a agilização do processo de implementação da Diretiva no sentido de garantir o menor impacto para todos e em especial para o utente;
  4. Uma ideia partilhada por todos: independentemente do que acontecer a partir de 9 de Fevereiro, uma coisa é certa: a dispensa de medicamentos ao utente não poderá estar em causa.