Nível de serviço em promoções é prioridade para o retalho

Esta é uma das conclusões da 7ª edição do Estudo de Níveis de Serviço Supply Chain (Logístico) da GS1 Portugal, num momento em que a relação custo-benefício assume um papel determinante na escolha dos consumidores. O estudo, que avalia a relação entre fornecedores e retalhistas na área logística de Grande Consumo, reuniu 30 fornecedores e sete retalhistas de todo o território nacional, atingindo um nível de maturidade no mercado português.

À semelhança das edições anteriores, e pelo segundo ano consecutivo através de questionário online, fornecedores e retalhistas avaliam-se, mutuamente, em 45 questões reunidas estruturadas em oito grupos de análise com o objetivo de avaliar os níveis de serviço logístico, assim como identificar as oportunidades de melhoria.

Retalhistas: as prioridades

A novidade deste ano surge com a integração de duas novas perguntas. O Nível de serviço em promoções, incluída no grupo Pedido, que entrou diretamente para o primeiro lugar das prioridades dos retalhistas. A questão Colaboração na execução promocional foi a outra pergunta-novidade que alcançou igualmente um lugar de destaque dentro do grupo de análise Colaboração.

Este resultado reflete o peso que as promoções têm vindo a ganhar em todas as áreas de grande consumo, não sendo a logística exceção. Apesar de ser um tema mais comercial é dos aspetos que impacta mais ao nível logístico e do aprovisionamento. Otimizar os níveis de serviço para garantir o nível de stock é uma realidade e um desafio para as empresas e, neste cenário, torna-se preponderante a comunicação interna, frequente e eficiente, entre as áreas comerciais e de supply chain.

Mas outras questões ocupam as prioridades dos retalhistas. Se olharmos o top 10 das perguntas que correspondem às prioridades os retalhistas participantes verificamos que, a par das promoções, se encontram os Standards, a conformidade das entregas, o estado os produtos, o cumprimento de prazos e os erros de faturação como temáticas importantes, conforme demonstra o quadro abaixo.

Top 10 de perguntas mais importantes para o Retalho

                                                                                                    Avaliação numa escala de 0 a 10

Contudo, e apesar destas serem as 10 questões mais prioritárias, nem todas atingem um nível satisfatório de avaliação, como podemos verificar no gráfico abaixo, onde incluímos ainda as questões relativas à mercadoria danificada e à configuração sobre a palete, ambas do grupo suporte.

                                                                                                                  Avaliação numa escala de 0 a 10

Retalhistas: importância das áreas de serviço

Na análise macro, também os grupos são ordenados por relevância para o setor, tendo por base a importância expressada pelos retalhistas a cada uma das perguntas incluídas em cada grupo.

Peso dos Grupos de Avaliação 

                                                                                                     Avaliação numa escala de 0 a 100

Retalhistas: principais conclusões

Em suma, e no que respeita às prioridades dos Retalhistas identificadas no 7º Estudo de Níveis de Serviço da GS1 Portugal, foram definidas cinco grandes áreas atuação, a saber:

  • Nível de serviço em promoções: como já foi amplamente referido, numa era em que metade dos consumidores afirma que a variável influência sempre a sua decisão por uma nova marca, é necessário operacionalizar a visão 360º do negócio, incluindo um fluxo de informação frequente e eficaz entre as áreas comercial e de supply chain;
  • Acondicionamento e estado da mercadoria: o correto acondicionamento da mercadoria e o estado em que esta chega à receção foram áreas identificadas pelos retalhistas como tendo mais oportunidades de melhoria, ainda que com um nível de importância menos relevante. Os retalhistas estão a ter mais dificuldades em receber a mercadoria bem-acondicionada, trazendo níveis de ineficiência nas plataformas. A configuração das paletes é uma das respostas a este desafio (Exemplo: packing list, bases, colunas, entre outros), apesar da complexidade acrescida;
  • Erros de faturação: a faturação surge na terceira posição do pódio de grupos de importância neste estudo e continua a trazer diversos constrangimentos. Seja por erros de referências, quantidades e/ou preços, os erros continuam a ser relevantes para os retalhistas que procuram fomentar a utilização das mensagens eletrónicas no fluxo order-to-cash, ainda sem sucesso, exigindo desenvolvimentos tecnológicos dos dois lados da cadeia de abastecimento.
  • Etiqueta GS1-128: em linha com o observado na edição anterior, a utilização correta da etiqueta GS1-128 por parte de todos os fornecedores tem sido difícil, precisando ainda de ser consolidada. Este Standard GS1 logístico é, atualmente, um requisito fundamental para os retalhistas, proporcionando ganhos significativos, não só na redução dos tempos de descarga como em processos de armazenamento e expedição. como principais desafios para os próximos anos surgem os novos e diferenciados requisitos na configuração da mercadoria sobre a palete.
  • Projetos colaborativos: é já um facto que a colaboração proporciona mais-valias para todos os agentes da cadeia de abastecimento. neste estudo, destacam-se as oportunidades de melhoria na relação fornecedores-retalhistas:
    • Calendarização das entregas;
    • Rastreabilidade;
    • Disponibilidade do produto: Os fornecedores procuram ter acesso à informação de vendas para conseguirem prever a procura de forma mais assertiva;
    • Mensagens Eletrónicas (EDI): como caminho para a eliminação do elevado número de erros nas faturas e um grande impulsionador da faturação limpa, após confirmação da entrega;
    • Sustentabilidade: um conceito presente no dia a dia de todos nós, mas ainda pouco real na logística das empresas.
O objetivo do Estudo dos Níveis de Serviço Supply Chain (Logístico) é conhecer o nível de eficiência dos fabricantes do grande consumo no fluxo Order to Cash, identificando oportunidades de melhoria.

A avaliação é realizada com base na performance ao longo de 2018 e resulta da análise dos retalhistas aos seus fornecedores,  quer nas entregas às plataformas quer às lojas da distribuição.

Recordamos que o mesmo estudo é realizado na área comercial do Grande Consumo e, também, para o setor da Sáude.

Aceda aqui para mais informações sobre os estudos. 

Se pretende fazer parte deste estudo, contacte Cátia Gouveia c.gouveia@gs1pt.org